O não estabelecimento de forma adequada do preço de venda ou de transferência, ou mesmo sua análise sob o ponto de vista de quem compra pode ocasionar não só distorção na apuração do custo gerencial de um determinado produto ou serviço, mas também dissabores quando da interpretação pelo agente do fisco. Por este motivo é conveniente estar atento à regulamentação contábil, do eventual órgão regulador a que a atividade da entidade estiver sujeita e à legislação tributária, nela incluída a federal, estadual e municipal.

Um fator importante quando da apuração e definição do preço de venda é o método de apuração a ser escolhido, uma vez que a diversidade de opções poderá resultar em resultados diferentes para o mesmo produto, inclusive sob o ponto de vista tributário.

Atualmente, as grandes empresas e seus administradores sentem, além dos efeitos da crise do país, as consequências da economia globalizada e, consequentemente, buscam soluções e justificativas para suas Matrizes e principalmente para os investidores em relação aos expressivos valores ociosos estampados em suas demonstrações financeiras. Por outro lado, os investidores analisam as demonstrações financeiras e solicitam explicações, demonstrando sérias preocupações com os seus valores investidos. Em um mundo digital, com informações “online”, com transações efetuadas em segundos, a moeda já não possui territorialidade e, muito menos, distâncias para as cobranças.